Maus tratos x carinho

Em um universo onde vemos seres humanos maltratando os animais, encontramos pessoas fazendo o bem por eles.
Para enfrentarem o frio do Rio Grande do Sul, Bruna Costa da Silva teve a ideia de produzir roupas para os cachorros de rua, vários já foram beneficiados com a iniciativa que ganhou apoio de muitas pessoas em Pelotas. Bruna-confeciona-roupas-para-animais-de-rua

A ideia de Bruna rapidamente se espalhou por vários pontos, como a Catedral Metropolitana São Francisco de Paula, a Praça Coronel Pedro Osório, o Mercado Central, Avenida Bento Gonçalves e a região do Porto.

No último dia 9, quando os termômetros começaram a congelar, Bruna percebeu que precisava fazer alguma coisa pelos animais que vivem na rua. Bruna é de Lajeado, a estudante já realizava trabalhos com ONGs de auxílio animal em sua cidade natal e resolveu que, de alguma forma, precisava continuá-lo. Quando chegou a Pelotas ela se espantou com a quantidade de cachorros nas ruas, algo que não acontecia em sua cidade.
Com a quantidade absurda de frio que fez nas ultimas semanas, ela saiu e comprou os primeiros metros de tecido. Depois de compartilhar um pedido das redes sociais ela obteve ajuda de várias pessoas. Até o momento já são 60 roupinhas feitas.
Se você quiser ajudar pode entrar em contato com Bruna pelo telefone 8116-9669

Anúncios

Tocha Olímpica é motivo de revolta

A Tocha Olímpica – símbolo das Olímpiadas do Rio 2016 – chegou no Brasil há pouco mais de um mês, dia três de maio para ser mais específica. No primeiro dia do revezamento – três de maio – a tocha circulou pelo Distrito Federal e em seguida seguiu rumo à Goiás.
Na manhã desta segunda-feira, 20, ela estava na cidade de Manaus/AM onde duas onças pintadas – muito lindas, diga-se de passagem – batizadas como Juma e Simba, de posse do exército participaram da cerimônia de passagem. Elas foram acorrentadas e exibidas ao público durante o evento. Quando a cerimônia por fim terminou, elas foram levadas de volta ao zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Celva do exército, algo não procedeu como deveria.
Juma, provavelmente estressada, escapou e avançou em um militar, e infelizmente foi cruelmente abatida.
O caso revoltou profissionais que trabalham com a conservação da onça, que questionaram a necessidade de levar o animal para esse evento. Mas não foram só os profissionais que ficaram chocados, o Brasil inteiro se revoltou com o acontecimento, e uma petição foi criada para fazer justiça à morte do felino, e várias postagens nas redes sociais marcaram essa segunda feira

 

Então surgiram questionamentos sobre a autorização da onça no evento, e é claro, ela não estava autorizada a estar lá, conforme matéria do UOL.

O jornal Estado de Minas publicou no seu twitter um link para uma matéria feita pela TV Alterosa – filiado ao SBT de Minas Gerais falando sobre a rotina de Juma. Ao ver a rotina da onça, não demorou para que os internautas se solidarizassem

 

O atual papel do jornalista no universo midiatico

É visto que o jornalismo tem mudado bastante, já que cada vez mais a tecnologia e os meios de comunicação tem avançado de maneiras que quase não conseguimos acompanhar. Nos dias de hoje a notícia sai primeiro na internet, já não é mais a voz de fulano ou sicrano quem garante a veracidade da informação, mas sãos as novas mídias. Outro exemplo é quando assistimos uma notícia na televisão, viemos direto para o Google pesquisar sobre o assunto.

Juliana Sayuri fala na revista FAPESP sobre Os rumos do jornalismo e do negócio midiático na realidade digital

para ela, vivemos hoje o triunfo das mídias sociais, onde essas plataformas crescem cada vez mais. Ela diz que as empresas de comunicação social e os jornais estão sofrendo reveses, ou seja, estão sendo derrotadas ou esmagadas pelas plataformas digitais, e é por isso que muitas vezes não conseguimos ler uma notícia inteira no site de um jornal, porque os jornais impressos recém estão migrando para o digital, e precisam cobrar por isso.

Mas acredito que esse mercado só tem a crescer e os profissionais a se capacitar, pois, apesar de ser uma área mais aberta ao grande público, onde qualquer pessoa pode produzir conteúdo, àqueles que são de qualidade e boas fontes necessitam de uma boa formação por trás.